Com mais de 50 opções, escolher quais cachoeiras da Serra da Canastra conhecer pode ser uma tarefa difícil, mas com esse post você saberá por onde começar

As cachoeiras da Serra da Canastra compõem mais de 50 quedas d’água e é uma mais incrível que a outra, sem exageros. Uma delas, por sinal, deixa o visitante molhado da cabeça aos pés mesmo distante, enquanto outras, mais tímidas e menos imponentes mesmo na época da chuva, são próprias para banhos tranquilos. Há também as que enganam com poços fundos e são indicadas só para quem tem muita experiência nesse tipo de aventura.

Uma coisa é certa: cachoeira é uma coisa que definitivamente não falta na Serra da Canastra e uma das principais atrações para quem busca por turismo na região de São Roque de Minas.

Cachoeira da Chinela


Foto: Divulgação

Localizada no município de São Roque de Minas, na chamada parte baixa do Parque Nacional da Serra da Canastra, a Cachoeira da Chinela está aberta para visitação mediante pagamento de taxa de preservação de R$10,00 (até a data da criação desse post 03/2019).

Do local onde é paga a taxa até a cachoeira em si existe uma trilha de nível fácil de aproximadamente 400 metros, perfeita para quem está com crianças. Mas mesmo se houvesse algum esforço nessa trilha, ele valeria a pena: as pedras abaixo da queda de 30 metros parecem colocadas ali de maneira planejada, separando a parte principal, onde há o poço, de pequenas e lindas piscinas naturais de águas cristalinas.

Aliás: existem mais 6 quedas acima, que não ficam visíveis, levando esse ponto turístico da Serra da Canastra a também ser chamado de Cachoeiras 7 Quedas.

Cachoeira Casca D’Anta


Foto: Walter Ferry Dissmann / Wikimedia Commons

Ainda na parte baixa, mas já dentro do parque, está a imponente Cachoeira Casca D’Anta, talvez a mais importante de toda a região por ser a primeira cachoeira formada pelo Rio São Francisco, cuja nascente está 14 km acima.

A taxa de entrada, de R$10,00, permite que o visitante percorra a trilha auto-guiada de 700 metros (nível fácil) até as proximidades da queda, que pode ser ouvida a uma boa distância graças à força resultante dos seus 186 metros de altura. No meio do caminho um mirante permite que a cachoeira seja vista de uma forma ainda mais especial: emoldurada pelos galhos das árvores. É realmente como se a natureza nos presenteasse com uma pintura.

Se banhar na cachoeira Casca D’Anta é impossível, devido à força da água e a quantidade de pedras escorregadias (a não ser que você fique mais para trás, no riacho do início da trilha). Mas reforçamos: mesmo de longe você irá se molhar, e muito! E diante da menor brisa terá a sensação de estar tomando chuva, e não qualquer chuva: daquelas que chegam com vento e não deixam nada seco. Uma delícia pra lá de refrescante!

Cachoeira do Cerradão


Foto: Rogério Rodrigues Nadal / Wikimedia Commons

Por fim, outra das cachoeiras da Serra da Canastra que você deve conhecer é a Cachoeira do Cerradão, que encontra-se pertinho do centro de São Roque de Minas, cerca de 7 km.

Para ter acesso a ela também é preciso pagar uma taxa (de R$20,00 na última verificação que fizemos) e seguir uma das trilhas em meio ao cerrado mineiro. Aliás, a vegetação em si já torna essa tarefa muito mais prazerosa e interessante, com dezenas de plantas demarcadas por nome para o visitante saber do que se trata.

Há tanto a trilha de 1,5 km quanto a de 1,02 km, mas algumas subidas e a própria chegada à cachoeira não as torna indicadas para idosos ou crianças pequenas.

Detalhes à parte, o que resta é diversão e contemplação: você pode nadar junto aos peixes e se banhar sob a queda de 80 metros de altura (considerando as duas quedas acima, a altura é de 200 metros, sendo indicado para quem realmente souber nadar, pois não há partes muito rasas por ali), admirar a natureza em volta ou fazer como muitos turistas e se refugiar no topo de uma das pedras para meditar.

Cachoeiras perfeitas para um roteiro curto na Serra da Canastra


Sua viagem para a Serra da Canastra é de poucos dias? Não se preocupe. Mesmo em pouco tempo de viagem é possível aproveitar bem essa experiência.

Como dissemos anteriormente, essas cachoeiras são perfeitas para um roteiro curto. Em uma estadia de 3 dias, por exemplo, você pode separar o primeiro deles para conhecer a Cachoeira da Chinela e a Casca D’Anta, o segundo para conhecer a Cachoeira do Cerradão e o terceiro para curtir outras atrações, como as do seu hotel, fazendas e restaurantes antes de voltar pra casa. E por falar nisso, você já decidiu onde se hospedar?

Nossa dica nesse quesito é o Hotel Chapadão da Canastra, que além de oferecer uma piscina incrível para adultos e crianças também oferece área de descanso às margens do Rio do Peixe, afluente do Rio São Francisco, e te ajuda com todos os detalhes do seu roteiro, oferecendo guias especializados para os passeios, conforme o seu perfil de interesse.

Como chegar na Serra da Canastra


Saiba como chegar na Serra da Canastra partindo da capital paulista, seja de carro próprio ou ônibus rodoviário. Veja os principais caminhos para a Serra da Canastra.

+info:

Hotel Chapadão da Canastra
Rua Benjamin Constant, 10 – São Roque de Minas
37 3433 1267 | 37 3433 1526 | 37 9 9911 5852 (WhatsApp)
E-mail: hotel@chapadaodacanastra.com.br
www.chapadaodacanastra.com.br

» Onde comer na Serra da Canastra
» Onde se hospedar na Serra da Canastra
» Como ir para a Serra da Canastra partindo de São Paulo
» Turismo na Serra da Canastra: inclua as fazendas em seu roteiro

Dicas para planejar sua viagem:

» Encontre hotéis, pousadas, resorts e hostels com o Booking.com
» Reserve passagens aéreas com a MaxMilhas.
» Ganhe R$179 de crédito do Airbnb na primeira reserva.
» Aluguel de carros com até 30% de desconto e a garantia do melhor preço!
» Encontre seu seguro viagem com os melhores preços na Seguros Promo.

Onde comer na Serra da Canastra

Artigo anterior

Turismo na Serra da Canastra: inclua as fazendas em seu roteiro

Artigo seguinte

Você pode gostar

Comentários estão fechados.